quinta-feira, 10 de maio de 2012

"All you need is love"...

A minha enorme paixão por gatos, já se tornou pública desde que adotei nossa primeira gatinha, em 30 de dezembro último, e logo depois a nossa segunda filha em 25 de janeiro. De lá pra cá nossa vida mudou. Para muito melhor. Ao amadurecer a idéia em ter um animal de estimação, pensei na calma, tranquilidade dos felinos. Mas tb pensava nos pêlos, cheiro de xixi e uma possível alergia que pudesse surgir. E hoje nada disso existe, mera especulação! Há apenas muito AMOR, alegria, brincadeiras, cenas engraçadas, e muito, mas muito carinho!

Léa é a autosuficiente, tímida, introvertida, e escolheu Stella como dona, quem sabe pela semelhança na personalidade?! Parece uma onça, é tricolor, tem sua cama de oncinha e dorme nela, uma raridade em se tratando de gatos! É uma vira-lata altiva, fina, elegante, cuidadosa. Já Phoebe, de raça duvidosa, mas uma mistura de Persa, é estabanada, preguiçosa, desastrada! Minha companheira de cama, dormimos agarradas, me acorda com suas fungadas e seu bigode me faz cócegas. Fica na porta do banheiro me esperando assim que me levanto, e me acompanha até a cozinha com miados para que eu lhe dê seu café da manhã, uma ração em sachê, sua loucura! Tem cara de rabugenta, mas não passa de uma estampa, por dentro é um doce melado!

Ao conviver com eles, passei a entendê-los, respeitá-los e admirá-los. E me revolto com pessoas que dizem que "gato é traiçoeiro", sem ao menos conhecer sua origem, história e amizade. Gatos não são submissos, e o humano tem a necessidade de ser o "dono" do animal. Gato jamais terá um dono. Terá um parceiro de vida, um amigo. E então, não resisti em registrar meu amor por esses animais. Esta semana, fiz uma nova tatuagem, um felino so cute! Sob as mãos e talento da poderosérrima Camilla Villas Boas, da Banzai Tattoo em Ipanema. Fica a dica para o pessoal do RJ que quiser se aventurar!

Tô in love!

E para quem ama esses bichinhos, ou para quem ainda não tem uma opinião formada, aqui vai um texto maravilhoso de Artur da Távola, que define com genuidade o que são os gatos. Imperdível!


ODE AO GATO

"Bichos polêmicos sem o querer, porque sábios, mas inquietantes, talvez por isso. Nada é mais incômodo que o silencioso bastar-se dos gatos. O só pedir a quem amam. O só amar a quem os merece. O homem quer o bicho espojado, submisso, cheio de súplica, temor, reverência, obediência. O gato não satisfaz as necessidades doentias do amor. Só as saudáveis. Lembrei, então, de dizer, dos gatos, o que a observação de alguns anos me deu. Quem sabe, talvez, ocorra o milagre de iluminar um coração a eles fechado? Quem sabe, entendendo-os melhor, estabelece-se um grau de compreensão, uma possibilidade de luz e vida onde há ódio e temor? Quem sabe São Francisco de Assis não está por trás do Mago Merlin, soprando-me o artigo?

Já viu gato amestrado, de chapeuzinho ridículo, obedecendo às ordens de um pilantra que vive às custas dele? Não! Até o bondoso elefante veste saiote e dança a valsa no circo. O leal cachorro no fundo compreende as agruras do dono e faz a gentileza de ganhar a vida por ele. O leão e o tigre se amesquinham na jaula. Gato não. Ele só aceita uma relação de independência e afeto. E como não cede ao homem, mesmo quando dele dependente, é chamado de arrogante, egoísta, safado, espertalhão ou falso. "Falso", porque não aceita a nossa falsidade com ele e só admite afeto com troca e respeito pela individualidade. O gato não gosta de alguém porque precisa gostar para se sentir melhor. Ele gosta pelo amor que lhe é próprio, que é dele e ele o dá se quiser.

O gato devolve ao homem a exata medida da relação que dele parte. Sábio, é espelho. O gato é zen. O gato é Tao. Ele conhece o segredo da não-ação que não é inação. Nada pede a quem não o quer. Exigente com quem ama, mas só depois de muito certificar-se. Não pede amor, mas se lhe dá, então ele exige. Sim, o gato não pede amor. Nem depende dele. Mas, quando o sente, é capaz de amar muito. Discretamente, porém sem derramar-se. O gato é um italiano educado na Inglaterra. Sente como um italiano mas se comporta como um lorde inglês.

Quem não se relaciona bem com o próprio inconsciente não transa o gato. Ele aparece, então, como ameaça, porque representa essa relação precária do homem com o (próprio) mistério. O gato não se relaciona com a aparência do homem. Ele vê além, por dentro e pelo avesso. Relaciona-se com a essência. Se o gesto de carinho é medroso ou substitui inaceitáveis (mas existentes) impulsos secretos de agressão, o gato sabe. E se defende do afago. A relação dele é com o que está oculto, guardado e nem nós queremos, sabemos ou podemos ver. Por isso , quando surge nele um ato de entrega, de subida no colo ou manifestação de afeto, é algo muito verdadeiro, que não pode ser desdenhado. É um gesto de confiança que honra quem o recebe, pois significa um julgamento.

O homem não sabe ver o gato, mas o gato sabe ver o homem. Se há desarmonia real ou latente, o gato sente. Se há solidão, ele sabe e atenua como pode (ele que enfrenta a própria solidão de maneira muito mais valente que nós). Se há pessoas agressivas em torno ou carregadas de maus fluidos, ele se afasta. Nada diz, não reclama. Afasta-se. Quem não o sabe "ler" pensa que "ele não está ali. Presente ou ausente, ele ensina e manifesta algo. Perto ou longe, olhando ou fingindo não ver, ele está comunicando códigos que nem sempre (ou quase nunca) sabemos traduzir.

 O gato vê mais e vê dentro e além de nós. Relacionam-se com fluidos, auras, fantasmas amigos e opressores. O gato é médium, bruxo, alquimista e parapsicólogo. É uma chance de meditação permanente a nosso lado, a ensinar paciência, atenção, silêncio e mistério. O gato é um monge portátil à disposição de quem o saiba perceber. Monge, sim, refinado, silencioso, meditativo e sábio monge, a nos devolver as perguntas medrosas esperando que encontremos o caminho na sua busca, em vez de o querer preparado, já conhecido e trilhado. O gato sempre responde com uma nova questão, remetendo-nos à pesquisa permanente do real, à busca incessante, à certeza de que cada segundo contém a possibilidade de criatividade e de novas inter-relações, infinitas, entre as coisas.

O gato é uma lição diária de afeto verdadeiro e fiel. Suas manifestações são íntimas e profundas. Exigem recolhimento, entrega, atenção. Desatentos não agradam os gatos. Bulhosos os irritam. Tudo o que precise de promoção ou explicação, quer afirmação. Vive do verdadeiro e não se ilude com aparências. Ninguém em toda natureza aprendeu a bastar-se (até na higiene) a si mesmo como o gato!Lição de sono e de musculação, o gato nos ensina todas as posições de respiração ioga. Ensina a dormir com entrega total e diluição recuperante no Cosmos. Ensina a espreguiçar-se com a massagem mais completa em todos em todos os músculos, preparando-os para a ação imediata. Se os preparadores físicos aprendessem o aquecimento do gato, os jogadores reservas não levariam tanto tempo (quase 15 minutos) se aquecendo para entrar em campo. O gato sai do sono para o máximo de ação, tensão e elasticidade num segundo. Conhece o desempenho preciso e milimétrico de cada parte do seu corpo, a qual ama e preserva como a um templo.

Lição de saúde sexual e sensualidade. Lição de envolvimento amoroso com dedicação integral de vários dias. Lição de organização familiar e de definição de espaço próprio e território pessoal. Lição de anatomia, equilíbrio, desempenho muscular. Lição de salto. Lição de silêncio. Lição de descanso. Lição de introversão.
Lição de contato com o mistério, com o escuro, com a sombra. Lição de religiosidade sem ícones. Lição de alimentação e requinte. Lição de bom gosto e senso de oportunidade. Lição de vida, enfim, a mais completa, diária, silenciosa, educada, sem cobranças, sem veemências, sem exigências.
O gato é uma chance de interiorização e sabedoria posta pelo mistério à disposição do homem."

[Artur da Távola]



Google imagens.
...



...and a cat!"

22 comentários:

Mãe de 2 disse...

Bom dia Mari, antes de qualquer coisa queria dizer que AMO seu blog e sua história, até me inspirei a fazer um pra mim tb.
Eu tenho um gato também, realmente eles são apaixonantes e misteriosos. Mas de vez em quando ele me tira do sério, como ele era gato de rua as vezes ele aparece com um rato morto dentro de casa e come passarinhos inteiros inclusive algumas penas! rsrs
Mas fazer o que né? è o instinto dele.
Bj Isabella

Roberta Berrondo disse...

Mari acho gatos a tua cara. Independentes curiosos sagazes espertos e hiper leais. So acho q vcs bullinam a pobre Lea. Beijo

Bibia Bueno disse...

Então, dizem que são animais do diabo. Que dão azar! Pegam o bichinho pra sacrifício. Poxa, nossos felinos tão meigos e fofolentos... cada qual com sua personalidade forte! ♥♥♥♥ Ah, amo meus gatos e todos os outros!

:)
Beijo!

Taia Assunção disse...

Nunca tive um gato, mas penso em ter quando finalmente pararmos em algum lugar. Como ele se comporta dentro de um apartamento? Não foge? Minha filha até tentou pegar uma noutro dia, mas a Fumiga chorou tanto que ela devolveu com medo de ambas se machucarem ou adoecerem. Ficou linda a tatoo e o texto do Artur é ótimo. Beijocas!

Andreza disse...

Nossa .Mari e isso mesmo,so qdo se tem dgatos,sabe que tudo que dizem sobre eles e mentira,tenho @ que sao meus companheiros,nem sempre estao visiveis,mas sempre estao ali!

Andreza disse...

Nossa .Mari e isso mesmo,so qdo se tem dgatos,sabe que tudo que dizem sobre eles e mentira,tenho @ que sao meus companheiros,nem sempre estao visiveis,mas sempre estao ali!

Daniela Castro disse...

Ei ei Mari! Mãe polvo e mãe gata! hehehe
Eu tenho uma cadelinha (pq minha tia me deu) pq eu não gostava de cachorros.
Na fazenda dos meus avós sempre tive uma gatinha. A primeira foi a Filó... Filomena. Muito muito arisca, nunca vinha no meu colo, muito menos subia na minha cama. Só ficava rodeando passando colada em minhas pernas e brincava muito com a gente e com os ratinhos que encontrava pelo terreiro a noite. Depois tive a Filó filha uma gatinha preta e branca que dormia colada comigo e me acordava com seu ronronar... é uma delícia a convivência.
Me deu até vontade de fazer um post sobre o assunto... valew pela inspiração! bjossss

Glauh Pima disse...

Mari eu não gostava de gatos pois na minha infancia um me arranhou toda no rosto, então eu evitava ao máximo o contato com um felino...até que na minha rua apareceu uma "mamãe" gata com 3 filhotes pedindo abrigo de casa em casa...eu que amo animais e sempre os defendi abriguei Sindel e seus filhotes,Orion,Lia(que depois descobri ser Leo)e Ernesto (minha mãe ama demonios da garoa kkk)Iriamos ficar somente com Ernesto mas eu queria muito ficar com SIndel que era uma gata lindaaaa viralata...Mas Ernesto fugiu, Orion foi dado e fiquei com Leo e Sindel...Como Sindel era de genio forte como eu minha mãe naum aguentou e a levou pro abrigo de animais (chorei horroresssss)Mas meu amor por gatos cresceu depois dessa familia linda de bixanos,tive mas 3 gatas e quase morri qdo uma delas morreu...Qdo Sofia nasceu minha mãe simplesmente entrou na minha casa enquanto eu dormia e num complo com meu marido deu a Pandora embora...Agora estou esperando Sofia começar a andar pra presentiar "ela" (eu) com uma gatinha linda!
Amei sua tattoo ...ficou linda!
Bjus

Flávia disse...

Ai Mari... desculpa, respeito quem gosta, mas eu não consigo gostar de gato. Não consigo me acostumar com ele miando no "pés" da gente, não gosto do esfregado dele.. rsrsrs.
Acho que isso é de cada um, ne?

Mãe 24h disse...

Mas pq tu é assim tão linda hein.Além de servir de exemplo pra mim como mãe...me faz sentir normal.Pq ser mãe é lindo...mas tbém tem seus "tempos ruins"Amei o vídeo no Mamatraca.Como sempre me emociono contigo.Bjs.Jamile.

Kinha disse...

Assim como você, tambem amo gatos.

Juliana Ramos disse...

Ficou DEMAIS!!!

Estou ensaiando a minha próxima, e nunca vou... Quem sabe me animo pra fazer no meu aniversário que está chegando!!!

Beijão

Rosa Lopes disse...

Nãooooooooo!!!!!
Não leio esse post, imagina se me contagia...
Bj

Anjinho disse...

Oi amiga, eu prefiro cães a gato, mas, tbém ñ tenho nada contra, na verdade, nem posso opinar,pois nunca tive um, em compensação, minha irmã e o esposo dela amam gatos de paixão, eles tem uma familia inteirinha de gatinhos e são apaixonados.
bjokas e a tatoo é linda.
amei!

Débie Mottin Molinari disse...

Marii eu amooo gatos!!! E gosto deles exatamente por nao serem submissos... Se nao gostam, nao gostam msm... Gatos são tdooo de bommmm!!!! A gente tinha um persa colourpoint lilas, mas com o problema pulmonar da C tivemos que fazer uma escolha e tivemos que da-lo... Mas foi dado pra gente conhecida q está cuidando e dando mais mimos do que ele ja tinha aqui me casa... O Rodolpho era a paixao aqui de casa... mas se Deus quiser logo a C vai ser liberada para ter um gatinho e vou ter novamente um bixano pela casa...

Beijao

Débie Mottin Molinari disse...

Marii eu amooo gatos!!! E gosto deles exatamente por nao serem submissos... Se nao gostam, nao gostam msm... Gatos são tdooo de bommmm!!!! A gente tinha um persa colourpoint lilas, mas com o problema pulmonar da C tivemos que fazer uma escolha e tivemos que da-lo... Mas foi dado pra gente conhecida q está cuidando e dando mais mimos do que ele ja tinha aqui me casa... O Rodolpho era a paixao aqui de casa... mas se Deus quiser logo a C vai ser liberada para ter um gatinho e vou ter novamente um bixano pela casa...

Beijao

Débie Mottin Molinari disse...

Marii eu amooo gatos!!! E gosto deles exatamente por nao serem submissos... Se nao gostam, nao gostam msm... Gatos são tdooo de bommmm!!!! A gente tinha um persa colourpoint lilas, mas com o problema pulmonar da C tivemos que fazer uma escolha e tivemos que da-lo... Mas foi dado pra gente conhecida q está cuidando e dando mais mimos do que ele ja tinha aqui me casa... O Rodolpho era a paixao aqui de casa... mas se Deus quiser logo a C vai ser liberada para ter um gatinho e vou ter novamente um bixano pela casa...

Beijao

Carol Damasceno disse...

Mari com esse texto ele consegue retratar como é o gato e como é sua convivência com ele... Sou suspeita... AMO GATOS.... Desde sempre...
Tenho um que é na dele.... Brinca quando quer, mas mostrou-se leal...
Fomos (marido e eu) levá-lo ao veterinário e ele muito assustado pulou do colo do meu marido e fugiu... Rodamos o bairro dias atrás dele e nada... Desapareceu..
Passados 4 dias do seu sumiço eu já havia perdido as esperanças... Tínhamos saído e chegamos a noite... Quando escutamos um miado... Era o próprio... Encontrou o caminho de casa sozinho.... Detalhe: o veterinário fica a uns 10 km da minha casa...
Agora me diz... esse bichano é ou não é leal???
Amei a tattoo...

Beijocas
Carol

Crys Leite disse...

Mari, amei! Sempre gostei de gatos. Já tive quatro. Um morreu envenando por algum vizinho, o outro era dado a aventuras fora do lar, foi um dia e não voltou mais, uma teve câncer e fiquei apenas com uma, minha linda Cindy que vai fazer 9 aninhos em Julho. Minha companheira de Friends, que morde, arranha é brava, mas ainda assim tem um lugar super especial na minha vida. Beijos.

Kelly Resende disse...

Oi Mari, eu tb amo os gatos e vejo que tem mto preconceito contra os bichanos, que são super companheiros, mas diferentes dos cachorros. A tatu ficou linda! Depois dá uma passadinha lá no meu blog para conhecer os meus filhos felinos: http://bebepiccolo.blogspot.com.br/2009/11/gatinhos.html
Beijos

DaniMoreno disse...

ownnn amiga gateira... que linda declaração!!!

Como diz meu marido... quem não gosta de gato, boa pessoa não é.

beijoca, Maricota!!!! <3

(Mamãe) ~Pinel disse...

Eu sou louca para ter gatos!
Mas a verdade é que eu MORRO de alergias à eles!
Eu até tento, mas não dá! Incho todinha, me coço e a respiração falha!
Já tentei alguns tratamentos alternativos!

Já a Lara, ela AMA de paixão, e o melhor, NADA DE ALERGIA! u-hul!

A tattoo ficou ÓTIMA! Eu amei! Super simples e linda!