quarta-feira, 2 de abril de 2014

4 anos!!!!!!



Há 4 anos eu era somente uma dona de casa que abriu mão de um emprego fixo para ser mãe de 3 filhos em tempo integral, em busca de sua verdade. Escrever, foi uma forma de externar idéias e sentimentos que não cabiam mais somente na minha caixola. De lá pra cá, tanta vida aconteceu! Anos muito intensos, de transformações, aprendizados e conquistas que foram registrados em forma de posts para todo sempre.

Estamos em uma eterna evolução e sendo assim, olho para trás e quase chego a sentir uma pontinha de vergonha ao reler postagens antigas. Tudo muda, eu mudo, o mundo mudou. Mas é minha história e aqui sempre fui eu mesma, sem máscaras, escrevendo para mim e mal sabia eu que ganharia espaço até mesmo em outros continentes.



Ganhei amigos inesquecíveis e leais. Mas como nem tudo na vida são flores, tb descobri que existem qos 'Stalkers' sem boas intenções, mas seres desprezíveis demais para ganhar algum espaço na minha memória. Não consigo mais blogar como antes, quando os posts eram praticamente diários. Mas não me falta vontade. A vida é feita de prioridades, as crianças cresceram e minha profissão junto com elas me exigindo muito tempo e dedicação. O trabalho de casa tb. Tomei as rédeas da minha família e o preço é muito alto. Ser mãe, esposa, profissional, amiga e ainda lavar, passar, cozinhar, faxinar não é moleza. Mas sempre serei blogueira. Para sempre.

Recebo semanalmente diversos e-mails e diferentes pessoas e culturas e assuntos distintos. Seja sobre fotografia, parto natural, maternagem… faço minha mea-culpa por não conseguir responder todos da maneira que eu realmente gostaria, mas quem disse que a vida de uma mãe polvo é fácil!?

Em 02 de abril de 2010, data da criação deste blog, eu era uma mãe-mulher de 31 anos com corpinho de 30. Hoje, 02 de abril de 2014, sou uma mãe-mulher-blogueira-fotógrafa-aspiranteadoula que quer mais! Zona de conforto não é meu lugar preferido, definitivamente. E assim, devagar e sempre, comendo pelas beiradas, vou chegando onde quero e conquistando meu espaço neste mundão e hoje posso afirmar como todas as letras; nunca fui tão feliz!

À quem está comigo neste tempo, a quem acompanhou o crescimento, agruras e sucesso de meus filhotes. Minha luta pela inclusão, minha guerra em prol do respeitos aos deficientes. Quem passou a ver o parto natural humanizado com outros olhos, a quem me incentivou a seguir a fotografia minha grande paixão que se tornou profissão. À quem dedica seu tempo e carinho a nos enviar algumas palavras, ou somente ficar na moita lendo o blog.

Para aqueles que me ensinaram e àqueles que aprenderam um pouquinho tb, o meu MUITO OBRIGADA! Mais de 1 milhão e 600 mil acessos em um blog criado sem pretensão para falar sobre o mundo materno, não é pra qualquer um e nem o tempo todo que vemos. E isso, devo a cada um de vcs! 

GRATIDÃO!



Que venham outros 4 anos! Que a paz impere na blogosfera, que tenhamos motivação para escrever muito mais!

segunda-feira, 24 de março de 2014

As fases da vida e nós.

Que a vida é feita de fases, seria algo redundante demais em se dizer. Quando se trata de filhos então… As mudanças das fases começam ainda intra-útero, antes mesmo da chegada ao mundo. Aquele "feijãozinho" até então um feto, logo se transforma em um bebê. Um bebê que nasce, cresce, se desenvolve e logo está buscando seu lugar ao sol. Em um piscar de olhos, um pequeno recém-nascido logo está fazendo gracinhas, distruibuindo sorrisos, imprimindo traços de sua personalidade. E então ele senta. E começa a engatinhar. Tão logo já está dando seus primeiros passos. Como a natureza é perfeita! E que delícia curtir cada fase!

Comigo não foi diferente. A não ser pelo detalhe que meu filho é tetraplégico. Mas dentro do contexto de seu mundo, aprendi a apreciar, observar, comemorar suas pequenas conquistas, como o valor de uma imensa vitória. Mexer a mão voluntariamente, controlar o pescoço por alguns segundos a mais do que o comum… a emissão de um som com uma sílaba diferente, mesmo que não diga nada a ninguém, para mim é tudo. 

Leo está com 7 anos, 2 meses e 24 dias. E até hoje, dentre todas as etapas de sua ainda curta vida, sem dúvida a mais marcante foi a transição do carrinho de bebê para a cadeira de rodas. Ele tinha 3 anos e meio, e lembro que foi uma fase muito feliz, de descobertas e desafios. Eu estava preocupada demais com sua adaptação para pensar em outras coisas. De lá pra cá, muita coisa aconteceu. Ele cresceu, de bebê virou um lindo menino saudável e de bem com a vida. Mas crescer dói. Muito. Nele e em mim. 

Leo deixou de ser portátil. Não é mais um bebê gigante e sim um garoto muito pesado e desengonçado. Suas maiores necessidades ainda são as mesmas de alguns anos atrás, embora de outra forma. Antes podíamos levá-lo a todo e qualquer lugar mesmo sem acessibilidade para a cadeira de rodas. Colocava-o no sling, no colo do pai e pronto, resolvido. Hoje não mais. Noite dessas, fui dar banho no Leo como de costume sentada em um banco debaixo do chuveiro, e ele em meu colo. Em um momento, perdi as forças. Sua rigidez muscular e espasticidade, deixava-o esticado mostrando bem a que veio. Alto, comprido, forte com direito a muque e barriga sarada! Se por um lado me sinto orgulhosa em ver aquele frágil prematuro crescido, por outro, dói. Física e emocionalmente. E neste dia em especial, percebi que não posso cuidar dele como antes.

Meu corpo pesa. Vivo com dores musculares. Minha coluna já pediu socorro algumas vezes. O trabalho é árduo. Trocar sua roupa, já não é mais uma tarefa automática, é uma guerra. E o pior, a tendência é ficar cada mais difícil, pois ele é só uma criança. E depois!? É algo que eu confesso não pensar muito. Seria antecipar um sofrimento, se posso evitá-lo. Que não se confunda com fuga da realidade, não é isso. Só acho que é preciso ser vivido um dia de cada vez.

Há tempos a fralda infantil tamanho XXG não segura mais os xixis do Leo. Cheguei a usá-la juntamente com as fraldas de pano como uma proteção maior. Mas até as maiores fraldas de pano já estão pequenas para o corpo de um bebê preso em um menino. Tive a idéia de tentarmos usar a fralda geriátrica, poderia ser uma boa solução. Comprei um pacote tamanho P e segui. 

A princípio, me parecia grande demais. "Hummm, não dará no Leo…" - pensei. Mas sim, coube perfeitamente. "Esse algodão me parece fraco, não vai sustentar seu xixi…" - pensei, novamente procurando "desculpas" para não usar. Uma, duas, três noites usando fralda geriátrica e a cama se manteve seca e limpa. Ao contrário dos outros dias que acordava parecendo um mictório. De fato, foi a melhor solução, cheguei a comemorar! Mas em contrapartida, aquilo parecia um decreto, uma condenação. É como se pela primeira vez em todos esses anos, eu estivesse assumindo de fato a condição de deficiente para sempre de meu filho. E então, aquela fase marcante da transição do carrinho para a cadeira de rodas, se tornou pequena.

É um choque. É doloroso. A aparência da fralda me dá uma idéia de doença, hospital, dependência, sendo que meu filho é cheio de vida. E me sinto no direito de me sentir assim. É meu filho, minha história, nossa relação. Em certos momentos, me permito chorar. Mesmo que as lágrimas pareçam não fazer sentido. Em outros, como hoje, simplesmente não posso. Devo buscar amenizar a situação e tentar lidar de outra forma buscando forças como quem busca uma corda ao cair em um buraco. 

Sei que existem coisas que são mesmo inevitáveis. Mas nossa postura diante delas é que será determinante. O sofrer, faz parte. Mas se reerguer tb. Resolvi sair para comprar cuecas samba-canção e ajudar a compor as fraldas. As mais lindas, confortáveis e fashions que existir no shopping, não me importa quanto custará. Já que Leo tem que usar as detestáveis fraldas geriátricas, que seja com estilo e alegria. Acho que no fim das contas, ele irá curtir essa nova fase e Pedro poderá até tirar uma casquinha. Estou indo, desejem-me sorte! [é sério!]





segunda-feira, 17 de março de 2014

Pérolas de Pedro!


Esse é daqueles posts onde é impossível não rir. Aliás, essa veia cômica acompanha Pedro desde sempre e quero falar um pouquinho sobre isso. Meu filho é um menino muito ativo, esperto, criativo, tem raciocínio lógico rápido. É "pá-pum", respostas na lata, doa a quem doer, algumas vezes me dando frio a espinha de tensão sobre o que ele vai falar. 

Mas tudo na maior naturalidade, é dele. Mas há quem crie expectativas qdo o encontra ao vivo, e chega até mesmo a "pedir" uma pérola. Ele não faz graça de propósito. É seu jeito de ser, dentro de contextos, tudo muito natural que nem ele mesmo percebe o qto está sendo engraçado. Portanto, não espere encontrar Pedro e ele sair soltando suas pérolas do nada. Não é assim! Ele não é uma máquina, ou um robô. É somente um menino feliz, descontraído que tem leveza em viver.

Esta última semana, foi repleta de pérolas. Algumas contei em real time no FB, outras ficaram somente entre nós. E quero compartilhar com vcs hoje!

1) Ontem, Pedro e o pai estavam na varanda fazendo um churrasco, e eu do lado de dentro. Eis que Pedro vem me chamar:
- "Mãe, vem! Saiu coRRação!"
- "Hãnnn!?"
- "CoRRação mãe! Tô treinando francês!"


2) Como todos sabem, Leo não fala, somente emite sons tais como "hum", "ain", "gãin", etc… Dia desses, seu amigo estava aqui em casa. Pegou algo 'emprestado' de Leo sem pedir, e Pedro logo avisou:

- "Ô fulano! Isso é do Leo, tem que perguntar pra ele se pode!" E o menino respondeu:
- "Mas ele não sabe falar!"
- "Sabe sim!"
- "Sabe!? O que ele fala então!?"
- "Ele fala números! 'Hum, Hum…' (leia-se: número 1!)"

3) Tb com um amigo em casa. O menino falou:
- "Pedro, se vc comprar outro gato, vc pode colocar o nome de Obi-Wan, o que vc acha!?"
- "Cara, não se compra animais! Se a-do-ta!"

4) Ontem tb, ainda no mesmo churrasco. Eu e marido conversando sobre Stella e seu smartphone. Falei que precisamos controlar mais, conversar com ela e conscientizar sobre o uso, pq ela tá muito conectada. Aí Pedro comentou:

- "Stella só quer saber desse celular! Nem fala mais com a gente!". Aproveitei pra educar:
- "Pois é filho. Não se deve trocar as pessoas pela tecnologia. E ele concordou:
- "É! E nem por HAMBURGUER!"

Pausa para risos.

HAHAHAHAHAHHAHAHAHHAHAHAHAHA! 

Despausa.


5) Tarde da noite e Pedro dando trabalho pra dormir. Sem sono, não queria ir pra cama de jeito nenhum. Chegou um momento que dei um ultimato. Para cama Já! Mas ele não se conformou e tentou negociar:

- "Por favor mãe, só mais 10 minutinhos!"
- "Não Pedro, tá tarde, vai dormir!"
- "Só mais 5 minutos então!"
- "Chega Pedro! Nem 1, nem 2! Não adianta, sem negociação!" E aí ele deu a tacada final:
- "Se vc deixar, eu arrumo a sala por 1 semana!" (nada de reação minha!) "Por 2 semanas! 3! Eu arrumo a sala o mês inteiro!"


6) Pedro está com o dente de cima mole e veio todo animado me mostrar. E então eu falei:

- "Ahh filho, vou colar com superbonder!"
- "Super cola!? Pq?!"
- "Pq vc tá crescendo, quero meu bebê de volta!" Ele sereno, super sério, ponderado disse tocando meu ombro com ar de maturidade:
- "Mãe, eu cresci. Não sou mais aquele menininho de antes. Meus dentes vão cair, mas vão nascer novos. Entendeu!? Tudo bem pra vc!?" Me deu um beijinho carinhoso e saiu.


7) E por fim, essa se repete em diversas variáveis, há anos, afinal, ele se acha! Pedro que é super mega ultra vaidoso e metrosexual, estava se olhando e ajeitando a cabeleira (que ele está cultivando) no espelho. Enquanto se olha, fala pra mim assim:

- "Vc nunca na sua vida achou que fosse ter um filho assim como eu né!?"
- "Assim como Pedro!?"
- "Assim, bonitão, esperto, gente boa…"

Ri horrores, mas eu tive que concordar com ele. Não mesmo!


DORE, Pedro. #aos7



sábado, 15 de março de 2014

"A Semana" #post3


Minha blogagem "A Semana", bem que poderia se chamar "A Quinzena", já que não tenho conseguido postar sempre. Para quem ainda não conhece, é uma proposta promovida pela minha amiga e blogueira Fernanda Reali, onde devemos todos os sábados, reunir fatos que se passaram nos últimos dias e assim reviver, relembrar, e perceber o quanto somos felizes nas pequenas coisas cotidianas.

Eu não sei vcs, mas por aqui foi muito movimentado! E nem falo sobre Carnaval já que este ano não curtimos nenhum bloco ou festa. Mas teve fortes emoções!

Logo na quarta-feria de cinzas fui chamada para fotografar um parto, que a princípio seria para a segunda quinzena deste mês. Pois o bebê Antônio Miguel não esperou nem mesmo a parteira, chegar, quanto mais a fotógrafa! Nasceu em casa, nas mãos de seu pai. Cheguei minutos depois, e pude registrar a "hora mágica", os momentos mais importante do resto de nossas vidas. Saiba mais sobre a "hora mágica" aqui:


 
E a vida seguiu. Fotografei em outra cidade no final de semana, e logo na segunda-feira antes do amanhecer, fui registrar mais um parto domiciliar, belíssimo, 100% natural e humanizado! O nascimento de uma mãe, de um bebê, de uma família...  E muita ocitocina no ar! Pq o fruto só cai do pé quando fica maduro! O jardim da casa onde Vitor nasceu, demonstra claramente:


Nova modalidade de esporte RN: escalada de cordão umbilical!
No meio da semana, como contei por aqui, foi aniversário da minha filhota número 1! Levei alguns amigos ao cinema e lanche no shopping, e depois cantamos parabéns a vc' com sua torta preferida: chocolate branco, morango e chantili. (não, não sobrou um pedaço! rs)


Enquanto isso, houve céu lindo de viver! Daqueles de tirar foto com celular, sem filtro, que mesmo assim está mais que perfeito! Eu estava em meu quarto de olho no relógio para buscar Pedro no colégio. Vi a varanda ficar laranja de repente então me aproximei e me deparei com este espetáculo! 


Falando em espetáculo, beleza felina maior não há, convenhamos! Phoebe é puro loosho, diva, musa! E de rastafári então... Rá!


Tudo a ver com o novo livro que comecei a ler. O segundo da série do gato mais famoso da Europa. Street Cat Bob! Estou amando!

Outra curiosidade da semana, foi este 'delicado' bilhete que achei colado no táxi. Acho justo, muito justo! E digno! Nem precisava lembrar! rs!



Ontem finalizei a noite com uma comidinha que por incrível que pareça, foi SUPER rápida e fácil de se fazer. Porção única gratinada com parmesão ralado na hora, uma mini-paella! Tem a receita aqui no blog!


E por fim, hoje o dia começou bem cedinho, pouco mais de 5 horas. Antes das 7 eu já estava na Prainha, paraíso escondido na selva urbana, logo ali pertinho! Manhã de ensaio gestante, um privilégio esses cenários da minha profissão! Como sou feliz com minhas escolhas! 



Que a semana de voces tenha sido cheia de luz e alegria! =)

quarta-feira, 12 de março de 2014

Aos 14...

Feliz Aniversário!


"Stella minha filha, como vc mudou! São 14 anos, muito bem vividos, tantas coisas aconteceram… Ainda lembro qdo vc era aquele bebê gorducho e sapeca, com muita sede de viver. Explorava o mundo com euforia como se não houvesse manhã. Como se o tempo fosse somente o hoje, o agora, uma urgência que só mesmo os bebês cheios de saúde podem ter. Mas havia tanta vida ainda! Naquela época, uma música fazia sucesso nas rádios e eu a cantava pra vc, pois tinha tudo a ver contigo: "hahaha, mas eu tô rindo a toa… não é que a vida esteja assim tão boa …" E ainda hoje, poderia repeti-la pra vc. Pq sua essência é a mesma desde aquele 12 de março de 2000 quando vc veio iluminar este mundo.

Nossa adaptação não foi fácil. Passei de filha para mãe muito cedo, despreparada, perdida. Passamos por poucas e boas, mas juntas que é o mais importante. E vc me me situou. Me ensinou tanto, mas tanto, que eu duvido muito que vc acredite o quanto. Mas um dia, provavelmente vc tb terá filhos e verá como é possível. Com vc aprendi a ser mãe, e mais ainda! Aprendi a ser um ser humano melhor para estar a sua altura e te fazer se orgulhar de mim. Entendi o quanto as pessoas podem ser diferentes, mesmo que tenha saído da própria entranha. E por falar em entranha…

Há anos eu te pergunto: "O que vc gostaria de ser qdo crescer?". E vc sempre diz: "Não sei." Mas posso fazer uma aposta. Vc adora séries e filmes dramáticos como sobre doenças, cirurgias, curas espetaculares e afins. Não pode ver sangue que corre em direção a ele, ao contrário da maioria. Tem um coração do tamanho do mundo, que gosta de cuidar de seres vivos. Seja gente, animal ou planta. Seu irmão Leo que o diga. Vc percebe coisas que nem eu sou capaz. Vc cuida. E isso é lindo! Uma vez, perguntei se vc gostaria de ser veterinária, ao te ver cuidando dos gatos. E vc prontamente respondeu: "Eu queria, mas nunca ia conseguir ver os bichinhos sofrendo." Tá certa. Essa é vc. Sensível e carinhosa. Aposto na área da saúde. Mas não tenha pressa. Continue com sua calma infinita.

Há cenas inesquecíveis para mim, que demonstram claramente seu caráter. Uma delas foi quando vc avistou de casa, um filhotinho de gato sozinho com sua mãe debaixo de chuva. Passava das 23 hrs, e vc não sossegou enquanto não desceu mesmo debaixo de temporal, para alimentar aquela família. Diante de minha negativa por conta da chuva, vc chorou muito por eles. "Por favor mãe, eles vão morrer de fome e frio!" Eu deixei, pois vi sua bondade, e então entendi como era importante este teu gesto. E vc foi sem medo. Mesmo 'ameaçada' pela gata mãe. Aliás, medo é uma coisa que vc não conhece muito. Se joga de cabeça quando algo te interessa. E em seu corpo, há marcas disso.

Passou-se o tempo que vc me dava trabalho na escola. Quantas e quantas vezes fui chamada para reuniões as pressas para conversar sobre o "comportamento de Stella". Eu chegava tensa, com frio na barriga pensando "o que Stella aprontou dessa vez!?". Quantas broncas, conversas, brigas tivemos?! Hoje, tenho orgulho de seu fichário limpo e organizado, de sua letra delicada, sua relação com os amigos e respeito genuíno aos professores, e me admiro com sua responsabilidade em fazer tarefas e trabalhos todos os dias, sempre atenta a prazos e detalhes. Preciso aprender algumas coisas com vc!

Vc, mesmo sem saber, buscou lá na alma o melhor de mim. Foi entendendo as nossas diferenças que passei a compreender que vc não é minha extensão, e sim uma pessoa única, autêntica, como desejos e vontades independentes. Demorou, mas cortei o cordão umbilical, era preciso. Com vc, entendi que personalidade forte e serenidade, podem andar juntas. Queria eu ter metade de sua tranquilidade diante da vida. Eu vivo te apressando dizendo: "Anda logo Stella!", mas minha filha, é vc quem está certa! Viva cada segundo como se fosse o último. Minha pressa não está com nada.

Sabe, eu pensava que seria estranho ver minha própria filha olhando para o alto. Afinal, vc já está maior que eu! É assustador! Mas o meu orgulho de vc, é maior do que sua altura. E é uma grande honra dizer que vc saiu de dentro de mim. Desde sempre vc me puxa de volta a realidade, foi meu ponto de equilíbrio qdo eu ainda bem jovem achava que surtaria com tanta responsabilidade nas costas. Mas vc sempre torna tudo leve, pq pra vc tá sempre tudo muito bom. Reclamar definitivamente, não é do seu feitio. Pedir tb não. Compreensão define.

Agora, vejo o quanto me preocupei demais com vc. Não era necessário tanto. Era só deixar tudo fluir, deixar vc desabrochar naturalmente, como um dia a nossa inesquecível Dra. Márcia me aconselhou. E de fato aconteceu. Ainda me pergunto se vc mudou tanto mesmo, ou se o que mudou foi minha maneira de te ver. Fica a dúvida. Dentro de vc só há coisas boas, solidariedade, emoções de todos os tipos. Confio tanto em vc, no ser humano que vc se tornou, na menina que vc é…

Falei, falei, falei… mas no final das contas, só uma coisa importa. Meu amor por vc. Sua felicidade. Nossa família. Vc faz dela muito melhor, que não seria nada sem vc. Minha primeira filha, o início de tudo. Saiba que onde quer que estejamos, seja como for, estarei sempre a postos para vc. O que passou nem importa muito, e sim o daqui pra frente. E vc me faz muito feliz sendo simplesmente, quem vc é. Quando vc era pequenina dizíamos: "Te amo mais do que o Titanic e o universo inteiro!". Pois é. Hoje, acho que ambos ficaram pequenos diante de todo meu amor. Seja feliz, sempre e para sempre! Feliz 14 anos minha Teté!"

Ass; Mamãe.


segunda-feira, 3 de março de 2014

sábado, 1 de março de 2014

"A Semana" #post2

Na semana passada, não consegui participar do segundo dia da blogagem coletiva "A Semana", nova proposta da Fer Reali. Foi tudo muito corrido, muitas horas longe de casa, cheguei ao ponto de parar em um hotel e tentar descansar algumas poucas horas para aguentar o tranco. Mas arrependimento, 0! Teve muita coisa boa, semana intensa e produtiva demais! E sem deixar de se atentar para as pequenas coisas da nossa rotina, pois nela mora a felicidade, sem dúvida nenhuma! Então, vamos reviver!?

No meio da semana houve a realização de um projeto muito especial, ao pé da letra. Na ONG "One by One" (curtam e confiram!), participei de um ensaio fotográfico em homenagem a mães de crianças deficientes e o Dia internacional da Mulher. Elas tiveram sua manhã de princesa com cabelo, maquiagem e fotografia, mostrando que são super poderosas sim! Na foto, eu com as idealizadoras, fundadora e com quem faz a ONG funcionar e ser o que é.



 No final da semana, comecei o "Curso de Formação de Doulas", realizada pelo GAMA e Núcleo Carioca de Doulas. Foi fantástico, abriu meus horizontes, aprendi tanta coisa que nem pensei que pudesse ser possível. Não somente teorias e evidências científicas, mas a evoluir como ser humano exercendo a escuta, o não-julgamento e claro, ensaiando a típica cara de alface, fundamental! rs!





Mas no meio do caminho, teve surpresa boa! Saí para fotografar um lindo parto natural na água, quebrando mitos! Gestação prolongada de 42 semanas e 5 dias, pós cesárea, com a linda neném Clara sendo amparada pela mãe e com a circular de cordão desfeita por ela mesma! Tudo repleto de amor, carinho, respeito a natureza. Palavras seriam incapazes de definir qual o sentimento de emoção ao presenciar tal cena. Indescritível de tão sublime!

https://www.facebook.com/marihartfotografia

E ainda na vibe do amor, sou da teoria de "quem ama, cuida". E assim, flagrei meu Mozão fazendo uma bela de uma limpeza na cadeira de rodas de Leo, que logo irá ganhar outra (estamos nos planejando!), pois está crescendo a passos largos! Como não amar!?



Pensando na comodidade, e em ampliar o espaço livre, e evitar que Pedro vá para minha cama toda noite, decidi por uma beliche para meus meninos. Ainda não posso afirmar se o tiro saiu pela culatra, pois foram poucos dias de adaptação. Este foi a primeira noite nela.


Esta semana tb teve atendimento ao Leo no SarahRio, com neurologista e terapeuta. Cresceu, engordou, e mais uma vez levou "Parabéns!". Esse é meu garoto! Marcamos alguns exames e voltaremos em breve. Este lugar é onde quase chego a sentir orgulho de ser brasileira. Quase! 


Tb teve dia de beleza no salão! Eu e Stella cortamos um pouco o cabelo, estamos de corte bem parecido! Uma lavagem e hidratação tb caem muito bem! Minha filha está ficando uma mocinha linda e está com o aniversário chegando! 


Cena de ontem a noite, antes de dormir. Leo em sua cadeira olhando para o pai que fazia uma cancão pra ele de improviso no violão. O hilário seria postar a letra da música aqui e um vídeo que fiz. Mas a imagem já diz tudo! Sintonia e conexão através do som!


E por fim, cena de hoje de manhã. Eu exercitando Leo com muita preguiça de levantar o pescoço, treinando assim seu controle de tronco. Bastou o pai trazer um prato de pão na chapa que ele ama!), e o rapazinho levantou a cabeça esquecendo que é tetraplégico! Guloso?! Imagina!!! 


Espero que a semana de vcs tenha sido feliz e produtiva como a minha foi! A partir de hoje irei aproveitar alguns dias de descanso, pq não é fácil ser um polvo! Nós mães, trabalhadoras e engajadas, tb merecemos! Um bom carnaval a todos e segunda-feira tem post! Aguardem! =)

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Leo e seu 1º amor!

No último dia 07, ganhei um presentão vindo de uma amiga muito querida. Um afilhado como contei aqui no post anterior. Acompanhei a gestação desde o início, choramos, rimos, ela lutou por um parto e buscou um nascimento o mais respeitoso possível. Vicente nasceu com mais de (pasmem!) 4kg e 200g, bochechas enormes e muita saúde! Sua chegada ao mundo, já nos proporcionou momentos muito especiais, e me permitiu conhecer mais a fundo uma menina linda de 9 anos, Duda, sua irmã mais velha.

Enquanto sua mãe estava no hospital, "adotei" Maria Eduarda por uns dias, acolhendo-a em minha casa. O suficiente para me encantar com o ser humano evoluído que se esconde dentro daquele corpo de criança. E como os especiais se atraem, Leo se apaixonou por ela imediatamente! Explico.

Não é exagero nenhum dizer que 90% das crianças que conheço, não enxergam Leo como um deles. Ressalto que isso não é uma crítica, apenas umas constatação. A culpa não é delas, mas sim de um sistema educacional falho, onde não há a verdadeira inclusão. A grande maioria das crianças não tem contato direto com as diferenças, crianças deficientes não fazem parte de sua rotina. Poderia ser, se houvesse de fato a inclusão nas escolas. Muitas chegam aqui em casa e mal falam com Leo, e qdo falam, é sempre pelo comando de seus pais que se atentam a isso. Não é algo natural.

Mas não com ela. Ao entrar em minha casa, Duda foi diretamente falar com Leo em primeiro lugar. Sorridente, feliz, tocando nele sem medo, rindo, brincando. Ela me contou sobre uma amiguinha "especial" que tinha em sua escola qdo morava em Portugal, pouco tempo atrás. Bingo! Só poderia ser. A tal da inclusão.

Horas e dias se passaram, e Duda sempre dava um jeito de incluir Leo em tudo. Seja na hora das brincadeiras, seja na hora de lanchar ou ver um filme. É dela. Ela simplesmente É assim. E obviamente Leo sentiu todo esse amor e aceitação e retribuiu, como lhe é de costume. Buscava Duda com o olhar o tempo todo, gargalhava com qualquer coisa que ela falava, chegou até mesmo a esquecer sua rotina dormindo mais tarde por ela, com ela.

Uma noite dessas, ouvi sons vindo da sala. Chegando lá, estava Maria Eduarda entrevistando Leo fazendo do controle do vídeo game de microfone. Ele que nem sabe falar, mas isso não importa, é só um detalhe. Em outro momento, chamei-a para ir a padaria comigo. Ela se animou. Qdo viu que Leo não iria junto, desistiu, preferiu ficar em casa brincando com ele. Assim como qdo nós fomos ao supermercado. Outras crianças ficaram olhando para ele fixamente (como sempre) e ela disse: "Pq as pessoas ficam olhando?! Será que nunca viram ninguém descalço na rua não!?" Pois é! Leo estava sem sapatos e o que mais chamou a atenção dela foi isso, e não a deficiência!

E então chegou o dia dela ir embora. Lágrimas (vindo dela!), sofrimento, ela nem queria se despedir! Mas foi necessário para que Leo soubesse que ela estava indo embora e não se sentir enganado depois. No dia seguinte, Leo era pura tristeza. Não sorria, a animação foi embora, e teve febre de 37,4º sem sintomas, o que chegamos a conclusão que era emocional, já que passou logo no dia seguinte. Aquele não era meu Leo de sempre, tia Karen chegou a brincar dizendo: "Leo tá na fossa!" E realmente… sua feição mudou depois que Duda voltou para sua casa. Arrasado, de dar pena!

E então hoje vi este curta-metragem, que para mim, deveria ser assistido por todos, principalmente adultos, já que crianças não tem preconceito, ele é adquirido. Esta é a Maria do filme "Cordas", e Leo já tem sua Maria. Maria Eduarda, Duda. A menina que despertou nele um amor que eu nunca tinha visto antes por nenhuma outra criança. A Maria que me mostrou que a verdadeira inclusão vem lá de dentro, é natural, genuíno. Aquela que queremos para sempre por perto, nos contaminando com sua doçura e carinho, para sempre.




Que o mundo tenha muito mais Marias como a do filme, e como a Maria Eduarda. Nós adultos, temos muito o que aprender com elas. E que todo Leo, conheça uma Maria como a Duda. A vida certamente seria muito mais feliz!

sábado, 15 de fevereiro de 2014

BC: "A semana".

Imagem da Moça de Família, Dani Moreno!

Tudo na vida tem início, meio e fim. E é nessa vibe que nos despedimos da Blogagem Coletiva de Esmaltes da Fernanda Reali, que teve a duração de 3 anos. (Entenda mais AQUI.) Tempo de conhecer muita gente do bem, de construir novas amizades, de encontros deliciosos no meio da semana, de bate-papo, risadas e piadas internas. A Fê teve a grande sacada de dar um fim a BC, apesar do grande sucesso. Se redescobrir, reinventar, ser criativo e capaz, é algumas das lições que tiro dessa nova fase.

E por isso, eu não poderia deixar de estar presente na estréia da Blogagem Coletiva "A semana", onde a proposta é relembrar os últimos 7 dias vividos, e perceber as felicidades e aprendizados existente neles, através de imagens, é claro!

Ao começar a fazer o post, confesso que pensei: "Mas essa semana não teve nada de especial…" Que engano! Bastou eu colocar a cabeça pra funcionar e boas memórias dos últimos dias vieram com ternura em minha mente. Fiz alguns registros, que compartilho aqui com vcs!


Na última sexta-feira, fui à livraria e trouxe "A culpa é das estrelas" que começa com estas lindas palavras:



Ainda na sexta-feira, dia 07 de fevereiro, ganhei um afilhado, Vicente! Passei a noite com ele e sua mãe Betty na maternidade, onde tive a oportunidade de estar junto doando todo meu amor, sem suas primeiras horas de vida. 3 dias depois ele já estava aqui na cama da dinda, qdo bateu à minha porta vestido de polícia! rs!





Enquanto Vicente e sua mãe se recuperavam do pós cirúrgico, tive 3 dias de mãe de 4! Sua irmã Duda passou o final de semana conosco, enchendo nossa casa de doçura e alegria. Já estamos com saudades e Leo chegou a ter febre emocional qdo ela foi embora. Mas isso é assunto para um post inteiro, aguardem!


E então recomeçou minha série preferida: The Walking Dead! E como de costume, sempre preparo algo gostoso para degustar enquanto assistimos. Desta vez, bastou algumas fatias de berinjela, mussarela, tomate cereja e manjericão e levar ao forno. Regar azeite por cima e polvilhar pimenta do reino branca, está pronto! Hummm!


Há alguns anos atrás, quando os gêmeos não tinham nascido e eu trabalhava em empresa, se me perguntassem "O que é felicidade pra vc!?", certamente eu responderia: "Assistir JN e buscar minha filha na escola." Eram coisas incompatíveis com meu trabalho e hj faço com muito prazer! Qdo se mora na esquina da escola então...  e com direito a sorveteiro na porta da escola! Isso é ser feliz!


Geralmente, o pai chega do trabalho e a cria já está dormindo. Mas não dessa vez. Ao ver Leo ainda acordado se preparando para dormir, papai polvo ficou mega feliz e não resistiu a muito chamego no filhote! E com direito a palhaçada, claro! Leo com óculos do pai. Cara de um, focinho do outro!


E onte, teve encontro de blgueiras, onde comemoraríamos o aniversário das nascidas em fevereiro. Eu, Chris Ferreira, Ro Thompson e Cris. Uma enxaqueca braba me impediu de chegar, voltei qdo já estava a caminho. Mas para que elas não se esqueçam de mim [cof cof], usei esta camiseta que eu guardava para o encontro. E fiz o devido registro para elas! Blogueiras amigas que amo demais e gostaria de ter estado junto no dia de ontem.


E para saber mais sobre a nova BC proposta pela Fernanda Reali, passa lá no blog dela, bem AQUI. E que todas as semanas, sejam "A" semana, para todos nós!

domingo, 2 de fevereiro de 2014

Souflé de mandioquinha com risoto de shitake/camarão.

Não é por nada não, mas fiz este prato agora há pouco e ficou tão maravilhoso, mas tããão gostoso, que não resisti em vir o quanto antes postar para vocês! Não é das mais simples, receitas do tipo que tenho evitado pela falta de tempo hábil. Mas daquelas que dá pra fazer por prazer em um domingão de folga dentro de casa. Se eu consegui, qualquer um pode! Essa vai para o top 5 da minha cozinha, sem dúvida nenhuma!


Souflé de mandioquinha (ou batata-baroa):

- 1 colher sopa de manteiga
- 1 colher  de sopa de farinha de trigo
- 1 xícara chá de leite (uso em pó mesmo)
- 150 g de queijo parmesão ralado
- 5 gemas passadas pela peneira 
- 1kg de mandioquinha (ou batata-baroa, como preferir chamar! rs) cozida e batida
- Pimenta-do-reino branca à gosto
- Noz-moscada à gosto
- 5 claras batidas
- Alecrim para polvilhar

Modo de preparo:
Derreter a manteiga e aos poucos ir juntando a farinha, sempre. Juntar o leite, sempre sem parar de mexer com uma espátula ou colher de pau. Junte os 150g de queijo parmesão ralado na hora. (fica infinitamente melhor se feito assim!) Tire do fogo, e deixe esfriar.
Em outro recipiente, misture as gemas, a mandioquinha batida,  a pimenta e a noz-moscada. Junte à massa já fria. Adicione as claras em neve por último e misture bem.

Untar uma travessa e ir ao forno pré-aquecido. Se atente para deixar um dedo de "sobra" da massa até o final da travessa, pois a massa vai crescer. Polvilhe o alecrim para enfeitar e dar um 'q' e está pronto! Vamos ao risoto de camarão com shitake!


Risoto de Camarão com Shitake:

Não fiz com arroz próprio para risoto, simplesmente por prefrência pessoal. O agulhinha aqui é campeão, o queridinho mesmo experimentando vários tipos deles. Para o risoto, além do arroz vc precisará de:

- Camarão
- Shitake
- Molho shoyo
- Teriaky
- Cheiro verde
- Temperos à gosto (pimenta do reino, limão, sal, noz-moscada)

Em primeiro lugar, admito que não usei sal, em momento algum. O próprio queijo parmesão da massa do souflé se encarrega de salgar. No risoto, o shoyo já é o suficiente. 

Depois de previamente limpo, descascado, temperado, podemos refogar o camarão. Faço com manteiga e azeite (pouco), um 'quebra' o sabor do outro. Enquanto eles vão ficando rosados, acrescentamos o shitake fatiado. Por último o cheiro-verde picado e o molho shoyo e teriaky. Não cozinho muito o camarão para que não fique borrachudo. Depois de levemente refogado, pode ser misturado ao arroz no final de seu cozimento, mas ainda com água. Secou, está pronto!

A essa altura o souflé deve estar no ponto certo. No meu levou 27 minutos, mas forno cada um sabe do seu! Alguns podem levar 40 minutos. Basta ter atenção! Qdo o palito sair limpo, é sinal de que está ok! Só servir!

P.S: Eu como fotógrafa de comida, daria uma ótima blogueira! Não consigo esperar pelo melhor click, ajeitar a cena, a vontade de atacar (e a fome!) é muito maior! rs!


Hummmmmmmm!!!!!!!!